31 de outubro de 2011

Halloween

Já tem um tempo em que por influência americana (assim como o Natal) os brasileiros comemoram o Halloween. Já na escola, a comemoração tem muito mais sentido quando faz parte das aulas de Inglês. As crianças aprendem outra língua e conhecem um pouco da cultura daquele país.
Na escola onde trabalho, o mês de outubro é recheado com atividades lúdicas que lembram o Halloween, confeccionamos fantasminhas, bruxinhas, morcegos e outros elementos assustadores nas aulas de Inglês. Na hora de confeccionar a fantasia sugerimos que elas sejam criadas com a família e a fantasia escolhida não precisa ser assustadora!
As crianças aprendem o vocabulário específico e o significado da frase " trick or treat" (doces ou travessuras).
Jack o´lantern
Aranha gigante e as aranhinhas feitas de bolinhas de isopor

No blog "Kids indoors"  também tem algumas dicas bem legais!

Só uma observação: não é porque comemoramos o Halloween que deixamos de falar sobre o folclore brasileiro. O folclore é trabalhado o ano todo, independente de datas, ele é sempre inserido em nossos projetos.  

Happy Halloween!

Beijos
Professora Melissa


30 de outubro de 2011

Poemando - Venha conhecer a novidade!

Olá Pessoal,


Hoje trago novas notícias sobre o projeto PontuAção 


Recebi da Carmen Silva Presotto alguns livros de poesia para iniciar o trabalho com os pequenos olhem só!


Por Vgvieira - camisa e livros recebidos para o projeto PontuAção

O material é lindo e a camisa também! 
Assim, com muito entusiasmo fui para a escola 
apresentar o projeto aos meus alunos (2º e 3º anos). 
A aceitação foi total... 
Os alunos gostaram da ideia 
de ter uma poesia em quadrinhos
estampada em uma camisa...  
E logo pediram para fazer algumas poesias...
O resultado??? 
Muitas poesias... 
E no dia  seguinte ouvi a seguinte frase... 
- Tia posso fazer poesia!?
 Adorei ouvir isso 
e não posso deixar de compartilhar com vocês! 


Olhem só essas fotos

Eles não se contentaram e resolveram criar livros de poesias (rsr)

Neste desenho a aluna está ilustrando o poema se essa rua fosse minha

livrinho da aluna Katarina!


Essa é a foto de um poema que ganhei no dia seguinte da aluna Ketlyn (adorei!!)

O poema...


Minha Florzinha

Minha linda florzinha
Que está no meu Jardim
Que é o meu coração...
A ela dei um nome lindo
O mais lindo do mundo
É Vanessa
Eu amo esse nome! 


Estou adorando esta experiência....

Semana que vem compartilho com vocês o quadrinho  que  Luiza, uma das integrantes do projeto, fez de um poema da turminha do 2º ano!

Ahh... E essa história toda me fez criar um blog para ir registrando os poemas criados pelos alunos. Seria um grande prazer ter a visita de todos vocês por lá!
O nome do Blog é Poemando com Pequenos...


Aguardo vocês!







28 de outubro de 2011

Série Grandes Pensadores da Educação: Maria Montessori

Finalizando a série grandes pensadores apresento essa fascinante pesquisadora e educadora que acreditava no potencial de criação e de transformação que as crianças possuem. Ela que começou seus trabalhos com crianças com necessidades especiais de aprendizagem desenvolvendo materiais que pudessem contribuir com o avanço na aprendizagem. Esses materiais são utilizados até hoje em salas de aula pelos professores e continuam ajudando muitas crianças a aprender.
Espero que tenham gostado desta série de estudos. 
Retornarei em outra ocasião apresentando estudiosos atuais que basearam suas pesquisas nos grandes pesquisadores da educação mundial.
Abraços
Cris Chabes

Imagens do Educar para Crescer


Frase de Maria Montessori:

"A tarefa do professor é preparar motivações para atividades culturais, num ambiente previamente organizado, e depois se abster de interferir" Maria Montessori nasceu em 1870, em Chiaravalle, no norte da Itália, filha única de um casal de classe média. Desde pequena se interessou pelas ciências e decidiu enfrentar a resistência do pai e de todos à sua volta para estudar medicina na Universidade de Roma. Direcionou a carreira para a psiquiatria e logo se interessou por crianças com retardo mental, o que mudaria sua vida e a história da educação. Ela percebeu que aqueles meninos e meninas proscritos da sociedade por serem considerados ineducáveis respondiam com rapidez e entusiasmo aos estímulos para realizar trabalhos domésticos, exercitando as habilidades motoras e experimentando autonomia. Em pouco tempo, a atividade combinada de observação prática e pesquisa acadêmica levou a médica a experiências com as crianças ditas normais. Montessori graduou-se em pedagogia, antropologia e psicologia e pôs suas idéias em prática na primeira Casa dei Bambini (Casa das crianças), aberta numa região pobre no centro de Roma. Depois dessa, foram fundadas outras em diversos lugares da Itália. O sucesso das "casas" tornou Montessori uma celebridade nacional. Em 1922 o governo a nomeou inspetora-geral das escolas da Itália. Com a ascensão do regime fascista, porém, ela decidiu deixar o país em 1934. Continuou trabalhando na Espanha, no Ceilão (hoje Sri Lanka), na Índia e na Holanda, onde morreu aos 81 anos, em 1952. Poucos nomes da história da educação são tão difundidos fora dos círculos de especialistas como Montessori. Ele é associado, com razão, à Educação Infantil, ainda que não sejam muitos os que conhecem profundamente esse método ou sua fundadora, a italiana Maria Montessori. Primeira mulher a se formar em medicina em seu país, foi também pioneira no campo pedagógico ao dar mais ênfase à auto-educação do aluno do que ao papel do professor como fonte de conhecimento. "Ela acreditava que a educação é uma conquista da criança, pois percebeu que já nascemos com a capacidade de ensinar a nós mesmos, se nos forem dadas as condições", diz Talita de Oliveira Almeida, presidente da Associação Brasileira de Educação Montessoriana. Individualidade, atividade e liberdade do aluno são as bases da teoria, com ênfase para o conceito de indivíduo como, simultaneamente, sujeito e objeto do ensino. Montessori defendia uma concepção de educação que se estende além dos limites do acúmulo de informações. O objetivo da escola é a formação integral do jovem, uma "educação para a vida". A filosofia e os métodos elaborados pela médica italiana procuram desenvolver o potencial criativo desde a primeira infância, associando-o à vontade de aprender - conceito que ela considerava inerente a todos os seres humanos. 

Ao defender o respeito às necessidades e aos interesses de cada estudante, de acordo com os estágios de desenvolvimento correspondentes às faixas etárias, Montessori argumentava que seu método não contrariava a natureza humana e, por isso, era mais eficiente do que os tradicionais. Os pequenos conduziriam o próprio aprendizado e ao professor caberia acompanhar o processo e detectar o modo particular de cada um manifestar seu potencial.

Por causa dessa perspectiva desenvolvimentista, Montessori elegeu como prioridade os anos iniciais da vida. Para ela, a criança não é um pretendente a adulto e, como tal, um ser incompleto. Desde seu nascimento, já é um ser humano integral, o que inverte o foco da sala de aula tradicional, centrada no professor. Não foi por acaso que as escolas que fundou se chamavam Casa dei Bambini (Casa das crianças), evidenciando a prevalência do aluno. Foi nessas "casas" que ela explorou duas de suas idéias principais: a educação pelos sentidos e a educação pelo movimento.

Saiba mais em Educar para Crescer 

25 de outubro de 2011

Caixa forrada com desenhos - Reciclar

Quem não tem em casa um monte de coisinhas a serem guardadas que ficam amontoadas em algum lugar?
Segue a dica da Renata Marques para guardar tudo no seu devido lugar, sem gastos e ainda pensando na reciclagem.


Aqui em casa semanalmente produzem-se dezenas de desenhos, pinturas, rabiscos, mapas e afins, muitos afins. Seria impossível guardar todos, costumo juntar alguns e tirar fotos para de alguma forma serem recordados no futuro, mas geralmente vão se acumulando amontoados dentro de algum armário e vão somando também aos trabalhos escolares que no fim do ano nos entregam. Como não tenho muito espaço de arrumação alguns desses desenhos depois de fotografados iam para o lixo (ecoponto azul, claro). Mas ontem fizemos diferente, aproveitamos os desenhos para encapar uma caixa de papelão, e ficou muito charmosa como podem ver na foto, além de ser uma ótima brincadeira daquelas que os distraem por fartos minutos. Agora estamos pensando no que vamos guardar lá dentro. A primeira sugestão que ocorreu aos pequenos foi: pode ser uma caixa de guardar desenhos!!! Bom, ainda não está decidido, mas é uma ideia. 


Do blog Imensa Vida da Teóloga Renata Marques

..............................................................................................................

Quer participar do  blog Educação em Foco?
Nos envie uma postagem!
Todas as terças feiras é dia do colaborador.
Coloque seu conhecimento na Rede!
Divulgue seu trabalho!



24 de outubro de 2011

Parabéns Ziraldo!

Hoje Ziraldo Alves Pinto está comemorando seus 79 anos!

ZIraldo na Feira do Livro Infantil

Esse "mineirim" nascido em Caratinga é um dos maiores escritores da atualidade...Acho que não existe uma criança sequer que não saiba algum título seu!
E o seu personagem mais famoso, o Menino Maluquinho é conhecido no mundo inteiro!
Para nós professoras, conhecer um pouco da vida dele é mais do que uma obrigação...Eu sou fã, não só como escritor mas como um incentivador da cultura em nosso país!
O pai do Menino Maluquinho 
Ziraldo Alves Pinto passou toda a infância em Caratinga. É irmão do também desenhista, cartunista, jornalista e escritor Zélio Alves Pinto e também de Ziralzi Alves Pinto, seu grande amigo. Estudou dois anos no Rio de Janeiro e voltou a Caratinga, tendo concluído o módulo científico (atual ensino médio). Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1957. Seu talento no desenho já se manifestava desde essa época, tendo publicado um desenho no jornal Folha de Minas com apenas seis anos de idade.
Começou a trabalhar no Jornal Folha de Minas, de Belo Horizonte, em 1954, com uma coluna dedicada ao humor. Seus personagens (entre eles Jeremias, o Bom; a Supermãe e o Mirinho) conquistaram os leitores.

Em 1960, lançou a primeira revista em quadrinhos brasileira feita por um só autor, Turma do Pererê, que também foi a primeira história em quadrinhos a cores totalmente produzida no Brasil. Embora tenha alcançado uma das maiores tiragens da época, Turma do Pererê foi cancelada em 1064, logo após o início do regime militar no Brasil. Nos anos 70, a Editora Abril relançou a revista, desta vez, porém, sem o sucesso inicial.
Em 1969 Ziraldo publicou o seu primeiro livro infantil, FLICTS, que conquistou fãs em todo o mundo. A partir de 1979 concentrou-se na produção de livros para crianças, e em 1980 lançou O Menino Maluquinho, um dos maiores fenômenos editoriais no Brasil de todos os tempos. O livro já foi adaptado com grande sucesso para teatro, quadrinhos, ópera infantil, videogame, Internet e cinema. Uma seqüência do filme deve ser lançada em breve!
Turma do Pererê

Os trabalhos de Ziraldo já foram traduzidos para diversos idiomas, como inglês, espanhol, alemão, francês, italiano e basco, e representam o talento e o humor brasileiros no mundo. Estão até expostos em museu! Ziraldo ilustrou o primeiro livro infantil brasileiro com versão integral on-line, em uma iniciativa pioneira.

Algumas curiosidades sobre o grande Ziraldo:
  • Ziraldo foi um dos fundadores da Banda de Ipanema
  • No carnaval de 2003, foi tema da escola de samba paulistana Nenê de Vila Matilde
  • Seu nome vem da combinação dos nomes de sua mãe, Zizinha com o de seu pai Geraldo: assim surgiu o Zi-raldo, um nome único.
  • Muitas vezes Ziraldo colabora com projetos sociais de cunho educacional e mesmo causas ambientais, como por exemplo a criação da logomarca da RPPN Rio das Lontras, uma Reserva Particular do Patrimônio Natural próxima a Florianópolis, Santa Catarina.
(Fonte Wikipédia)

Professora Melissa

23 de outubro de 2011

Poesia em quadrinhos

Olá pessoal...

Hoje gostaria de compartilhar com você um projeto muito interessante que vem sendo desenvolvido pelas companheiras Hosamis Pádua, Luiza Maciel Nogueira e Carmen Silva Presotto, Cátia, Luana Neres e agora eu Vanessa Vieira, (veja) todas poetizas e integrantes do grupo Vidráguas lá no Facebook.



Este projeto nomeado PontuAção, é uma ideia da Hosamis, que como ela própria conta (veja)  foi reavivada a partir das leituras dos poemas publicados  lá no grupo.
Trago aqui o endereço do Blog e do Facebook do projeto para que conheçam e levem para as escolas. 
Vamos divulgar essas iniciativas! A leitura, a criatividade, a sensibilidade precisam retornar aos bancos de nossas escolas.
Este é um projeto que está iniciando e nós professores podemos ajudá-lo a crescer cada vez mais. 

Não deixe de visitar e conhecer a proposta. 
Você irão gostar



Att
Boa semana  a todos

21 de outubro de 2011

Série Grandes Pensadores da Educação: Winnicott

Conheci os trabalhos de Winnicott na pós graduação em Psicopedagogia.
Como médico pediatra ele atendia mães que traziam seus filhos para uma consulta rotineira e observava que muitas vezes a criança não apresentava patologia alguma, mas a angústia da família em não saber lidar com certos aspectos comuns à infância ocasionavam sintomas  como febre, dores abdominais, dores de cabeça em seus filhos.
Assim solicitava alguns exames e quando esses apresentavam diagnóstico bom as mães ficavam tranquilas e os sintomas na criança simplesmente desapareciam.
Ele passou a pesquisar essa regularidade em suas consultas e os resultados dessas pesquisas foram incorporados na educação escolar. 
Em São Paulo, há um colégio que segue as linhas de trabalho propostas por Winnicott Acesse e leia artigos muito interessentes.
Abraços
Cris Chabes
imagens do Educar para Crescer
Frases de Donald Winnicott: 
"O precursor do espelho é o rosto da mãe."

"O buscar só pode vir a partir do funcionamento amorfo e desconexo, ou talvez do brincar rudimentar, como se em uma zona neutra. É apenas aqui, nesse estado não integrado da personalidade, que o criativo, tal como o descrevemos, pode emergir."


O psicanalista Donald Winnicott trabalhava com crianças separadas de suas famílias em consequência da Segunda Guerra Mundial quando encontrou um interessante campo de estudo que lhe permitiu perceber etapas fundamentais do desenvolvimento da pessoa. Donald Winnicott constatou, por exemplo, a importância do brincar e dos primeiros anos de vida na construção da identidade pessoal. As conclusões a que ele chegou são preciosas para o trabalho dos educadores.

Boa parte dos conceitos de Winnicott se refere ao "desenvolvimento emocional primitivo", cujos efeitos, segundo ele, são de importância crucial para o indivíduo por se estenderem para além da infância. Muitos problemas da fase adulta estariam vinculados a disfunções ocorridas entre a criança e o "ambiente", representado geralmente pela mãe.

Os conceitos de verdadeiro e falso self (em inglês, palavra que se refere à própria pessoa) são um bom exemplo. "O self se forma com base nas experiências que o bebê acumula", diz o psicanalista Davy Bogomoletz, de São Paulo. "É aquilo que, embora indefinível, faz o indivíduo sentir que ele é único." A relação com a mãe leva o bebê a administrar a própria espontaneidade e as expectativas externas. "Se a mãe aceitar as manifestações do bebê - como a fome, o desconforto, o prazer e a vontade -, em vez de impor o que acredita ser o certo, o bebê vai acumulando experiências nas quais ele é sempre o sujeito, e o self que se forma pode então ser considerado verdadeiro", explica Bogomoletz. Porém o self construído em torno da vontade alheia é o que Winnicott chama de falso e que priva o indivíduo de liberdade e de criatividade.

Aconchego e proteção
Uma das frases famosas de Winnicott é "não existe essa coisa chamada bebê", querendo dizer que não há criança sem uma mãe (que não precisa ser necessariamente a que deu à luz). Vem daí a idéia da "mãe suficientemente boa", aquela cuja percepção - consciente ou inconsciente - das necessidades do bebê a leva a responder adequadamente aos diferentes estágios do desenvolvimento dele. Isso faz com que se crie um ambiente - nomeado por Winnicott de holding (cuja melhor tradução para o português, segundo Bogomoletz, seria "colo") - propício a um processo de formação de um ser humano independente. "O holding é o somatório de aconchego, percepção, proteção e alegria fornecidos pela mãe", diz ele. Começa como algo vital, como o oxigênio e a alimentação, e se dilui conforme o bebê cresce.

"Os educadores devem fornecer holding no ambiente escolar", segundo Bogomoletz. Isso significa tratar cada aluno como ele precisa. O termo "inclusão", se levado a sério, indica uma atitude de holding. O acolhimento adequado pode, portanto, ajudar uma criança regida por um self falso - geralmente boazinha e obediente - a se tornar mais espontânea. "No entanto, é preciso que a escola aceite as temporadas de 'mau comportamento'. "Trata-se de adotar sempre uma postura tolerante e criar condições para que a criança desfrute de liberdade. Nada mais importante, nesse sentido, do que o papel da brincadeira - fundamental para Winnicott, não apenas na infância, por misturar e conciliar o manejo do mundo objetivo e a imaginação. "Brincar pressupõe segurança e criatividade", diz Bogomoletz. "Crianças com problemas emocionais graves não brincam, pois não conseguem ser criativas."



Saiba mais em Educar para Crescer 

20 de outubro de 2011

A Day at the Zoo



Não teve como passar pelo blog do professor Willian Paulon e não me apaixonar!
O blog é voltado pra língua inglesa e possui atividades super interessantes.
Confira a atividade abaixo, eu achei o máximo!
Parabéns professor Willian! Seu amor pelo o que faz me contagiou!
Professora Genis



Como surgiu a atividade?

O Zoológico é um lugar aonde você só vai em dois períodos da sua vida, quando você é criança ou quando você tem filhos. No meu caso é a terceira opção, eu sou professor!
Tudo surgiu quando eu decidi ir ao Zoológico de São Paulo a passeio, pois já havia muito tempo que eu não via animais grandes e de verdade. Passeando pelo zoológico eu notei que todos os animais são “catalogados” pelo seu nome científico, em português e em Inglês! Daí em diante foi usar a imaginação.

O que eu preciso para esta atividade?

Disposição para um dia de muita diversão, visitar o local do evento antes para poder planejar a atividade e muita criatividade.

Vamos lá! Antes de levar minhas crianças até o Zoo de São Paulo, eu tive que preparar todo o ambiente escolar a fim de dar significado e prepará-los para a atividade que seria realizada durante a visita.

Utilizei de cartazes de animais pela escola para ilustrar e preparar o ambiente para receber as crianças. Pintamos, recortamos e fizemos jogos relacionados a animais durante toda a semana. Ouvimos músicas e nos divertimos durante algumas horas com os animais em inglês. Estabelecemos o dia da cobra, onde todos tinham que rastejar como uma, o dia do macaco, onde todos tinham que pular de lugar em lugar, até que todos os alunos tivessem conteúdo suficiente para participar da tão esperada visita ao zoo.

O convite foi feito não só para os alunos, como também para os pais, o objetivo da atividade era que os alunos fossem capazes de ajudar amigos e família com o conhecimento que eles adquiriram durante as atividades na escola. A intenção era que eles utilizassem a língua de forma real, perante uma necessidade, a necessidade de levar o seu grupo ao fim da atividade proposta.

Ao chegar ao zoo, os grupos foram feitos e a tarefa estabelecida. Cada grupo recebeu um “dossiê” contendo as tarefas.

1 Tarefa) Completar a tabela com os nomes dos animais em Inglês que correspondem as descrições.

A descrição dos animais foi feita pelas características físicas e seus nomes científicos. Então para chegar a uma resposta certa, o grupo tinha que avistar o animal, verificar suas características físicas e confirmar seu nome científico.

2 Tarefa) Escolher um dos animais e realizar uma rápida apresentação.

Esta apresentação era livre, porém o grupo tinha que se dirigir até a arena do animal e falar em Inglês sobre aquela espécie. Neste momento, o grupo necessitava da presença de um professor para validar seus pontos.

As tarefas parecem simples, mas pense no tamanho do zoológico e na quantidade de animais existentes, apenas com um mapa é capaz de realizar essa atividade, então não se esqueça de retirar um na entrada.

Para concluir a atividade, todos os grupos deveriam estar no local e hora estabelecidos no “dossiê”. Neste momento, todos os grupos tiveram a oportunidade de compartilhar como foi seu dia, contando momentos engraçados e quantas coisas novas foram capazes de aprender.

DICAS:

Se eu tivesse planejado essa atividade hoje, utilizaria um pouco mais de tecnologia, essa atividade foi planejada para crianças de 8 a 11 anos, e todos nós sabemos que a grande maioria carrega celulares que tiram foto, filmam e tocam música. Eu pediria para que o grupo fizesse um vídeo com os animais mais engraçados ou assustadores do zoo. Depois era só compartilhar com os outros grupos em Inglês!

Por que fazer esta atividade?

A língua é algo vivo que se transforma a todo tempo e isso só ocorre quando utilizada de forma significativa. Crianças só aprendem uma segunda língua através de uma aprendizagem não forçada, em um ambiente seguro, contextualizado e motivador.

A aprendizagem de uma língua não precisa ter uma lógica pré-determinada onde primeiro se aprende os números, depois os dias e por fim animais, não foi assim que aprendemos nossa língua mãe. A língua tem de ser livre, manipulável, aberta a escolha de palavras, assim também deve ser uma aula quando se trata de crianças. Crianças precisam tocar, cheirar, correr, gritar, assistir, chorar, correr mais e experimentar tudo o que já experimentaram em sua língua mãe, contudo agora, em uma segunda língua.

A atividade no zoológico fez com que os animais expostos nos livros criassem forma, cheiro, som e seres vivos plausíveis de admiração. But this time, In English!

  
Resultado da atividade

O resultado foi um dia cheio de aprendizagem e um dia memorável a todos os alunos e professores que participaram dessa atividade.

Depois do Zoo, vieram atividades em parques, shoppings e mercados. Mas estas ficarão para um próximo post!


Retirado do blog A LOUSA SUMIU! E AGORA?


19 de outubro de 2011

Livros Infantis Grátis da Coleção Itaú Criança 2011



É grátis. E desta vez os livros estão em seu formato original e os títulos são excelentes pedidas. Veja abaixo como pedir os exemplares, assista aos vídeos com Ziraldo, Ângela Lago e Suppa para se aprofundar nos temas de cada obra literária.



Quem aprende a gostar de ler sabe escrever a própria história.


Fundação Itaú Social
O Itaú realiza uma série de programas e parcerias para tornar o Estatuto da Criança e do Adolescente uma realidade para todos. E investe cada vez mais na qualidade da educação.
A Coleção Itaú de Livros Infantis foi criada pela Fundação Itaú Social para ajudar a despertar desde cedo o prazer pela leitura. Ela foi feita para você que também acredita que a educação é o melhor caminho para a transformação do Brasil.
A educação muda o Brasil.
E o Itaú participa dessa mudança com você.

A coleção
A Fundação Itaú Social busca oferecer ao público livros com a mesma qualidade dos encontrados nas livrarias, com mínimas adaptações nos formatos originais, e conta com a assessoria da Associação Vaga Lume na curadoria da Campanha Itaú Criança.
Os critérios usados para a escolha desses três títulos foram a qualidade e a diversidade de gênero do texto, autores, ilustradores, projeto gráfico, editoras e origem das histórias. São títulos premiados e recomendados por educadores e especialistas em literatura infantil.
Esperamos que você tenha muitos momentos agradáveis ao ler essas histórias para crianças.

Os livros

Adivinha quanto eu te amo 
de Sam McBratney, ilustrações de Anita Jeram
Um coelhinho se esforça para mostrar o tamanho do amor que ele tem pelo pai. O Coelho Pai entra na brincadeira, mas ambos percebem que não é fácil medir o amor.

O tema deste livro ressalta a importância dos primeiros contatos afetivos com as palavras. Esta postagem também abarca, ou melhor, abraça estes dois verbos, ler e amar: Por que contar histórias para bebês e crianças?


Chapeuzinho Amarelo
de Chico Buarque, ilustrações de Ziraldo
A história é uma releitura bem-humorada do clássico Chapeuzinho Vermelho, de Charles Perrault. Só que desta vez não há vovós nem caçadores. Chapeuzinho é uma bela menina que sofre de um mal terrível: sente medo de tudo, até do medo.
“Mãe, posso dormir na sua cama?” Para ajudar os pais a responderem a esta pergunta, o livro Chapeuzinho Amarelo do Chico Buarque, já tinha sido recomendado aqui na postagem sobre O medo e o acolhimento.

A Festa no Céu – um conto no nosso folclore
Ilustrações e tradução de Ângela Lago
Haveria uma festa no céu, e os bichos sem asas estavam jururus de fazer dó. Mas a tartaruga não se deu por vencida e decidiu que ia ao baile. Será que ela vai conseguir?

O trabalho de Ângela Lago também já foi recomendado por aqui. O site da autora é uma verdadeira aula de como usar as novas linguagens e a interatividade da Internet a favor das histórias e da poesia lúdica. Para navegar no tema clique no post O Tradicional e o Novo ao Contar Histórias.

Para pedir os livros
Para pedir os livros gratuitos da Coleção clique aqui.

 Almanaque dos leitores de histórias
Aqui você encontra links, textos e entrevistas sobre leitura. Tudo escolhido a dedo para te dar um empurrãozinho para a experiência de ler para uma criança.

Era uma vez... Vídeos
Especialistas do mundo inteiro concordam que a leitura de histórias para crianças traz inúmeros benefícios para o seu desenvolvimento. Por isso, escolhemos pessoas especiais para falar sobre leitura.

Itaú Criança - Ziraldo

Itaú Criança – Ângela Lago
Itaú Criança – Suppa

18 de outubro de 2011

Reunião de Pais


Minha coordenadora, de uma das escolas em que trabalho, pediu para que os professores de matérias extras (Inglês, Ed. Física, Informática e Arte) preparassem algo pra mostrar para os pais. Ela não disse exatamente o que queria, então ficamos livres pra mostrar o que queríamos.

Eu estou apenas 3 meses nessa escola e ainda não conheço muito bem os pais e confesso que fiquei bem ansiosa e temerosa com a reunião.

Pensei bem no que poderia apresentar aos pais e tive uma ideia!

Como eu leciono Língua Inglesa nessa escola, para crianças de 2º e 3º ano, fiz algumas filmagens das nossas aulas. O video ficou simples, mas ao mesmo tempo ganhou um toque bem especial, pois as filmagens retrataram exatamente como são as nossas aulas.

As crianças falando em inglês, conversando e cantando arrancaram aplausos dos pais e eu fiquei super feliz e emocionada.

Não fiquei até o final da reunião, pois estou de licença médica e fui apenas pra participar da reunião, mas ao sair do auditório uma mãe me procurou e disse que sua filha ama as aulas de inglês e que tem aprendido muitas coisas, pois fala tudo em casa.

Uma outra mãe me disse que seu filho canta o dia todo! Canta as músicas que eu ensino nas aulas e ela acha o maior barato!

Isso é uma grande alegria!

Uma coisa que me marcou muito ao chegar em casa, foi o recadinho que a minha coordenadora me enviou pelo celular:

"Genis, vc brilhou na reunião. 
Todos ficamos surpresos e encantados. 
Obrigada, saúde e paz".

Sabe, amigos... num tempo em que o professor é tão desvalorizado, receber uma mensagem dessas após um bimestre de muito trabalho, é motivo de muita alegria e nos faz querer sempre melhorar.

Você pedagogo ou diretor de uma escola, valorize o trabalho de seu professor, elogie, critique se for necessário, mas com amor. 

Abraços à todos, profª Genis

- Não postei o video, pois não tenho autorização de exibição de imagens dos alunos dessa escola. -